quinta-feira, 26 de maio de 2016

em silêncio e falta

celebro-te em silêncio e falta
que quase se ajustam
na ciranda eterna dos desassossegos
quase que em improviso
quase que imperfeito
quase que imprevisto
quase um desapego
e na festa, isenta de convidados,
acendo um incenso sobre as pausas mais extremas
ascendo uns versos no altar de alguns dilemas
apago as luzes que me espionam segredos
danço lua em fase incauta e, nesse enredo,
celebro-te em silêncio e falta

- amanheço pauta
das canções sem medo -




- Lena Ferreira -