sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

harmoniosa

ouço, disposta, as notas tuas que dão viço
e sinto a graça em volta do que tu professas
dançando harmoniosa com o que tu confessas
no santo altar das horas altas de sossego
desse teu cântico que quase se assemelha
ao de um pássaro noviço
diante de uma plateia dispersa



- Lena Ferreira -

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

como salmos

vêm calmos
lábios zelosos
guardiões dos silêncios mais discretos
beijam-te o verso
e brisam-te o avesso
como salmos



- Lena Ferreira -

sábado, 11 de fevereiro de 2017

por não-saber

guardo o teu olhar numa gaveta e me retiro
assim prefiro que é pra não embolorar
outras lembranças que circulam pela sala
que não gritam, mas me falam
da vida que é quase um tiro
no escuro
escalo o muro de uma dor que desacata
ordenanças correlatas
sábias do que é seguro
mas, por não-saber, eu só procuro
três promessas não-feitas
e um suspiro que ajeita
outro olhar pro futuro




- Lena Ferreira -

domingo, 5 de fevereiro de 2017

importa

volta o mar com suas ondas fartas
a se instalar num peito já sem susto
e acomodado assim, sem muito custo,
revisa o aviso das náuticas cartas
que navegar por águas tão difusas
pode não ser assim de mau um todo
importa o vento a desviar do lodo
das algas e areias mais profusas
importa a brisa próxima ao juízo
pra derrubar com seu sopro preciso
essas muralhas que a vida oferece
importa a chuva do verbo conciso
lubrificando, sempre,  o seu sorriso
e todo o resto, esquece, esquece...



 - Lena Ferreira -

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

aos olhos do poema

aos olhos do poema,
tudo é pergunta latente
e aos seus ouvidos,
tudo remete à outra canção
à sua mão, quando disposta,
tudo o que chega, se transforma
a não ser esse silêncio
que, arrastado e displicente,
desinforma
sua última resposta



 - Lena Ferreira -