segunda-feira, 12 de junho de 2017

coincidência



incide a luz

sobre esses olhos negros
negros, negros como a noite
que a gente sempre quis


fresca das notas

que os dedos vários da lua
propiciam ternamente
as canções que ontem lhe fiz


chamando estrelas

que retocam o nosso verso
nascido na hora mais extrema
entre o riso e a calmaria


coincidindo,

essa luz que ora lhe cobre
pouco a pouco, nos descobre
mais que versos; poesia


- Lena Ferreira -
Postar um comentário